segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

da proxima vez...


próxima vez que sentires uma brisa
fecha os olhos
limita-te a senti-la
respira fundo
sente-a
como reage o teu cabelo ao movimentar-se
como a respiras
como ela te acaricia a pele...

quando abrires os olhos
olha para tudo como se fosse a primeira vez
olha o céu
vê como as nuvens se movimentam suavemente
os raios do sol

e se tiver chovido,
repara nos reflexos deixados para trás...

fazes isso da próxima vez?

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Se me perguntasse como me sinto hoje...
Se me abraçasses por momentos e me fizesses esquecer o que sinto...

Sinto como se me tivesses roubado a vida, como se me tivessem apagado.
O não poder andar na rua, o não ser descoberta, o ter que andar de telemóvel desligado, o não falar com as pessoas que já era habito falar...

Sufoco..............................

Esta noite acordei de madrugada de um pesadelo.
Sonhei que ela tentava-me matar-me com um barrote, fazia chantagens. acordei com uma pontada no peito e uma súbita vontade de vomitar, com medo de abrir os olhos e vê-la a meu lado.

Quando será que tudo isto vai passar?
Quando será que vou ter a minha vida, tranquilidade de volta?
As coisas que eram minhas e que perdi com o tempo aprendo a dizer: "eu tinha..."
Dói, tenho vontade de sair para ir correr.

Tenho saudades do Stitch e da Wiri.
Tenho saudades...


quinta-feira, 26 de julho de 2012

O Conceito da Bíblia: Deus se importa com os animais?


O Conceito da Bíblia
Deus se importa com os animais?
A VIDA animal corre perigo. Muitos cientistas acreditam que a extinção de algumas espécies está num ritmo acelerado. Animais estão sofrendo as consequências devastadoras da invasão humana de seu habitat. A produção industrial de alimentos, os esportes sangrentos e o abandono de animais de estimação pioram essa triste situação.
No entanto, alguns acham que esse é o preço inevitável que se paga pelo progresso humano. Mas era isso que Deus queria? Será que ele abandonou a criação animal para sofrer nas mãos dos humanos? Como sabemos que ele se importa com os animais?
Cuidados demonstrados desde o início
Depois de criar os peixes, as aves e os animais terrestres, Deus ficou contente. A Bíblia diz que ele “pôde ver que [tudo] era bom”. (Gênesis 1:21, 25) Todas essas criaturas, da menor à maior, receberam os cuidados amorosos do Criador. Além de criá-las “instintivamente sábias”, Deus tomou medidas para que se desenvolvessem bem em seu habitat. Foi isso que um escritor bíblico disse: “Todos eles [os animais] — a ti ficam aguardando para lhes dares o alimento a seu tempo. Apanham o que lhes dás. Abres a tua mão — eles se fartam com coisas boas.” — Provérbios 30:24; Salmo 104:24, 25, 27, 28.
Deus criou os animais para estarem sujeitos ao primeiro homem, Adão. Eles não foram projetados com a capacidade de raciocinar ou ter espiritualidade. (2 Pedro 2:12; Judas 19) Adão, por outro lado, era uma forma de vida superior, criada “à imagem de Deus”. Era capaz de refletir a personalidade de seu Criador, Jeová. (Gênesis 1:27; Salmo 83:18) Mas isso não dava aos humanos o direito de exercer autoridade sobre os animais sem levar em conta o propósito do Criador.
Por exemplo, foi Jeová quem concedeu a Adão o privilégio de dar nome aos animais. Além disso, ele ajudou Adão por “trazê-los [os animais] ao homem para ver como chamaria a cada um deles”. (Gênesis 2:19) O homem só conseguiria cuidar bem dos animais se seguisse as orientações de seu Criador.
Deus realmente se importa
Infelizmente, Adão se rebelou contra seu Criador. Sua rebelião trouxe trágicas consequências para a família humana e para todas as formas de vida na Terra. Mas o Criador deixou claro como os animais deviam ser tratados. Embora o homem recebesse mais tarde permissão para se alimentar deles e usá-los para fins práticos, Deus nunca o autorizou a tratá-los com crueldade. A Bíblia diz: “O justo importa-se com a alma do seu animal doméstico, mas as misericórdias dos iníquos são cruéis.” — Provérbios 12:10.
Deus até mesmo deu à antiga nação de Israel leis para proteger os animais. A provisão do sábado — um dia semanal de completo repouso — dava a oportunidade de descansar não só aos israelitas, mas também a seusanimais. (Êxodo 23:12) É notável que, embora nenhum trabalho fosse permitido nesse dia sagrado, as pessoas deviam socorrer animais em perigo. (Lucas 14:5) Deus também ordenou que o gado não fosse privado de alimento enquanto trabalhava e que os animais não transportassem cargas muito pesadas. (Êxodo 23:5; Deuteronômio 25:4) Era proibido colocar um touro e um jumento sob o mesmo jugo, ou canga, evitando prejudicar os animais. (Deuteronômio 22:10) Assim, fica claro que a Bíblia ensina que os animais deviam ser tratados com respeito, consideração e compaixão.
Embora muitas pessoas só pensem nos seus próprios benefícios e desconsiderem os danos causados aosanimais, Deus se preocupa com eles. Ao notar que o profeta Jonas mostrou falta de misericórdia quando os habitantes de Nínive se arrependeram e foram poupados do julgamento divino, Jeová disse: “Eu, da minha parte,não devia ter pena de Nínive, a grande cidade, em que há mais de cento e vinte mil homens que absolutamente não sabem a diferença entre a sua direita e a sua esquerda, além de haver muitos animais domésticos?” (Jonas 4:11) Isso prova que o Criador tem pena até mesmo dos animais.
O futuro dos animais
Fica claro que Deus não é insensível ao modo como os animais são tratados. Seu querido Filho, Jesus, chegou a dizer que um único pardal não cai ao chão sem o conhecimento de seu Pai. (Mateus 10:29) Em contraste com isso, os humanos, mesmo com as melhores das intenções, não conseguem entender plenamente como suas ações afetam o meio ambiente. Os humanos precisam mudar de atitude para cuidar de seus interesses sem desrespeitar a vida selvagem.
Felizmente, a Bíblia descreve o tempo em que, sob o Reino de Deus, “a terra há de encher-se do conhecimento de Jeová”. (Isaías 11:9) Esse conhecimento dará aos humanos obedientes a instrução e o treinamento necessários para administrar bem a Terra. A influência do Criador garantirá então que prevaleça a harmonia entre o homem e os animais, recuperando assim na Terra as condições que faziam parte do propósito original de Deus.
A Bíblia descreve a transformação que ocorrerá, explicando: “O lobo, de fato, residirá por um tempo com o cordeiro e o próprio leopardo se deitará com o cabritinho, e o bezerro, e o leão novo jubado, e o animal cevado, todos juntos; e um pequeno rapaz é que será o condutor deles. E a própria vaca e a ursa pastarão; juntas se deitarão as suas crias. E até mesmo o leão comerá palha como o touro. E a criança de peito há de brincar sobre a toca da naja; e a criança desmamada porá realmente sua própria mão sobre a fresta de luz da cobra venenosa.” Que perspectiva maravilhosa! — Isaías 11:6-8.
JÁ SE PERGUNTOU?
● Deus se importa com a maneira que os homens tratam os animais? — Provérbios 12:10; Mateus 10:29.
● É possível que homens e animais convivam em plena harmonia? — Isaías 11:6-9.


Texto Diário :)


Quinta-feira, 26 de julho
Se . . . fiz fraquejar os olhos da viúva, e costumava comer meu bocado sozinho, não comendo dele o menino órfão de pai . . . que caia a minha própria omoplata do seu ombro. — Jó 31:16, 17, 22.
As expressões poéticas no texto de hoje talvez nos façam lembrar das palavras do discípulo Tiago: “A forma de adoração que é pura e imaculada do ponto de vista de nosso Deus e Pai é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas na sua tribulação.” (Tia. 1:27) Podemos também nos lembrar da exortação de Jesus: “Mantende os olhos abertos e guardai-vos de toda sorte de cobiça, porque mesmo quando alguém tem abundância, sua vida não vem das coisas que possui.” Daí Jesus apresentou uma ilustração sobre um cobiçoso homem rico que morreu como alguém que ‘não era rico para com Deus’. (Luc. 12:15-21) Para sermos íntegros, não podemos ceder à pecaminosa cobiça ou ganância. A cobiça é idolatria porque o alvo dos desejos ardentes do cobiçoso o desvia de Jeová e, desse modo, esse alvo se torna um ídolo. (Col. 3:5) Integridade e ganância não combinam. w10 15/11 5:10, 11


Textos bíblicos necessários e A Sentinela:

 27 A forma de adoração* que é pura+ e imaculada+ do ponto de vista de nosso Deus e Pai é esta: cuidar dos órfãos*+ e das viúvas+ na sua tribulação,+ e manter-se sem mancha+ do mundo.+

15 Então lhes disse: “Mantende os olhos abertos e guardai-vos de toda sorte de cobiça,+ porque mesmo quando alguém tem abundância, sua vida não vem das coisas que possui.”+ 16 Com isso contou-lhes uma ilustração, dizendo: “A terra de certo homem rico produziu bem. 17 Conseqüentemente, ele começou a raciocinar no seu íntimo, dizendo: ‘Que farei, agora que não tenho onde ajuntar as minhas safras?’ 18 De modo que ele disse: ‘Farei o seguinte:+ Derrubarei os meus celeiros e construirei maiores, e ali ajuntarei todos os meus cereais e todas as minhas coisas boas;+ 19 e direi+ à minha alma: “Alma, tens muitas coisas boas acumuladas para muitos anos; folga, come, bebe, regala-te.”’+ 20 Mas Deus disse-lhe: ‘Desarrazoado, esta noite te reclamarão a tua alma.*+ Quem terá então as coisas que armazenaste?’+ 21 Assim é com o homem que acumula para si tesouro, mas não é rico para com Deus.”+

5 Amortecei,+ portanto, os membros+ do vosso corpo que estão na terra, com respeito a fornicação,*impureza,* apetite sexual,*+ desejo nocivo e cobiça,+ que é idolatria. 

Seja generoso, não cobiçoso
10 Jó era generoso e prestativo, não egoísta e cobiçoso. Disse ele: ‘Se fiz fraquejar os olhos da viúva, e costumava comer meu bocado sozinho, não comendo dele o menino órfão de pai. Se eu costumava ver alguém perecer por não ter vestimenta. Se sacudi a mão para lá e para cá contra o menino órfão de pai, quando via a necessidade do meu auxílio no portão, que caia a minha própria omoplata do seu ombro e se quebre o meu próprio braço desde o seu osso superior.’ E Jó não teria se mantido íntegro se tivesse dito ao ouro: “Em ti confio!” — Jó 31:16-25.
11 Essas expressões poéticas talvez nos façam lembrar destas palavras do discípulo Tiago: “A forma de adoração que é pura e imaculada do ponto de vista de nosso Deus e Pai é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas na sua tribulação, e manter-se sem mancha do mundo.” (Tia. 1:27) Podemos também nos lembrar da exortação de Jesus: “Mantende os olhos abertos e guardai-vos de toda sorte de cobiça, porque mesmo quando alguém tem abundância, sua vida não vem das coisas que possui.” Daí Jesus apresentou uma ilustração sobre um cobiçoso homem rico que morreu como alguém que ‘não era rico para com Deus’. (Luc. 12:15-21) Para sermos íntegros, não podemos ceder à pecaminosa cobiça ou ganância. A cobiça é idolatria porque o alvo dos desejos ardentes do cobiçoso o desvia de Jeová e, desse modo, esse alvo se torna um ídolo. (Col. 3:5) Integridade e ganância não combinam.


Link:

domingo, 27 de maio de 2012


Quando encontrei o que restava de ti no meio das cinzas, soube logo que tinha perdido o meu melhor amigo… hoje se toco, hoje se ouço ou vejo umas cordas vibrarem, minh’alma vibra juntamente e por dentro choro…
Sinto tanto a tua falta, tanto… que até dói.

Abraço forte


Dei comigo esta semana a dizer a alguém: “Sabes aquela sensação que uma criança sente quando corre na direcção de um dos pais onde este (a) está de braços abertos. e ao lá chegar a criança é abraçada tão forte, mas mesmo tão fortemente que se sente segura? Sabes? É este o abraço que Jeová nos dá, segura-nos tão forte, retém-nos tão fortemente que nos sentimos seguros.”

E se...


E se sair para correr? No final da corrida vais lá estar? Sabes aquela sensação que sentes quando corres e corres e corres e chegas ao final da meta e rompes a fita? Sabes aquela sensação em que no final da corrida vais ter lá alguém com os braços abertos que te vai segurar tão firme que vais sentir que por mais que percas o chão jamais cairás?


Ele – O que te faz sentir segura?
Eu – Já não sei…
- Que sentes?
- Perdida, sem rumo, parece que me roubaram a bússola.
- E alguma a tiveste?
- …

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Um ano e três meses - Primeiro Beijo


Hoje, dia 9 fazemos um ano e três meses do nosso primeiro beijo.

Sentia-me nervosa naquele dia, só nos riamos por tudo e por nada e, por incrível que parece, quando demos as mãos pela primeira vez foi mágico... o não querer largar, o largar e do nada voltar da dar...

Naquela noite, sentados juntos ao mar, conversamos algumas horas, vimos fogo de artificio enquanto permanecia nos teus braços (fizeste-me sentir tão segura mesmo sem saber do que um dia partilharíamos).

Quando nos levantamos para ir embora, quando demos o nosso primeiro abraço, tremia por todos os lados e pela primeira vez senti como se tivesse borboletas no estômago...

O teu perfume, o teu cheiro, a nossa respiração mutua, acelerada e nervosa, os teus braços à volta do meu corpo e um soberbo desejo do tempo parar ali por mais alguns segundos.

Depois quando nos despedimos mais adiante e era suposto ir e pronto, algo foi mais forte, se momentos antes por um abraço sentia-me nervosa, naquele momento o meu nervosismo encontrava-se no topo.

Ao não soltarmos as nossas mãos entrelaçadas, o respirar mais acelerado, nem sei como aquilo aconteceu ao certo... Apenas sei que ambos aproximamos-nos e num ápice entrelaçamos os nossos lábios e culminamos o nosso primeiro beijo como se mais nada se passasse ao nosso redor.

TU fazes-me feliz e confesso que nem sempre dou-te o devido e merecido valor que devia dar. Que discuto, que "embirro" com muitas cenas muitas vezes (a maioria delas) sem razão sequer, mas juro-te, eu em nenhum momento deixei de te amar, aliás a cada dia que passa EU AMO-TE cada vez mais.

E é isso que eu quero que guardes sempre contigo, quero que acredites, que sabias e que tenhas sempre um enorme pedaço de minh'alma na tua, porque acredita meu Amor aonde quer que vá, onde quer que esteja TU estarás sempre comigo em minh'alma.

Para todo o sempre, Tua Ursinha*

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Vavó


Tinhas o sorriso mais lindo que alguma vez vi em alguém, mesmo doente sorrias com um brilho nesses teus olhos perfeitos.

Perdeste um filho na semana passada e oito dias depois partiste também.

Quando deste entrada no hospital senti um aperto no peito, pensei que não te fosses desta vez, não desta vez, ainda não. Há três anos atrás entraste no mesmo hospital muito pior que na segunda-feira passada, saíste de lá, mas desta vez a tua saída foi diferente.

Ontem quando recebi o telefonema e não conseguia ouvir por causa da rede, levantei-me e corri pelo corredor até à garagem, sentia-me arrepiada, tremia.

O tempo não voltara atrás para te ver a sorrir mais uma vez, simplesmente às 9:30 da manhã partiste.

Na segunda-feira à noite quando te vi no hospital tremias tanto, pedi-te a bênção e dei-te um beijinho, mas voltei atrás, segurei-te na mão enquanto te acariciava o rosto e orei a Deus, aos poucos o teu tremer ia diminuindo, quando te dei um beijo na testa e fui para te largar a mão, seguraste-te tão firme na mão como nunca havias segurado antes. Inclinei-me perante ti, ainda com a tua mão a segurar firmemente a minha e sussurrei-te: "vó, Deus não abandona ninguém, acredita", dei-te um beijinho na testa e tu acariciaste-me a minha mão com tua pele quente e suave.

Ontem quando íamos em direcção ao hospital para te acompanharmos para a ermida, quando vimos a berlinda passar, God, que aperto vavó, vontade de chorar, mas aguentei-me. Na ermida, quando foi para levar o teu caixão para dentro, segurei na argola do lado e ajudei, nunca tinha ajudado a levar um caixão, mas mantive-me firme.

Quando abriram o caixão e foram endireitar-te, quando sem querer o teu corpo mexeu-se com o movimento deles, tua mão mexeu-se em direcção à tua boca, vontade de gritar e de te tirar dali senti, mas contive-me, tentei fazer-me entender que só te tinhas mexido porque eles estavam a endireitar-te.

Parecia que dormias. Estavas tão linda, tu és e serás sempre linda :)

Passei a noite a olhar para o relógio, hoje continuei a olhar para o relógio pouco a pouco não desejando que chegasse a hora da despedida. Quando o padre chegou já ninguém tinha forças mas todos tínhamos noção que a hora chegara.

Quando começaram a fechar o teu caixão... nem sei descrever o que sentíamos todos.

Já não mais ver-te, sentir-te, tocar-te, pedir-te a bênção nem ver esse teu sorriso e o teu perfeito olhar, que aperto, dói.

Não me conseguia conter mais...

No cemitério, detesto olhar para aquela cova de terra fria onde tudo é vazio, onde sabemos que não voltaremos a olhar da mesma forma... olhei e ficamos todos ali enquanto faziam descer o teu caixão.

Choros, gritos, prantos, lágrimas, flores, o som da terra a cair sobre a madeira, o cheiro forte da terra pelo ar, a noção de não te ter mais por perto... uma forte dor no coração, a eterna saudade mas sobre tudo a esperança de um dia voltar a ver-te mais bela, mas perfeita do que alguma vez foste.

Jamais voltarei a sentir o cheiro da terra sem me lembrar deste dia, mas quando este sentir, lembrar-me-ei sempre do teu doce sorriso, do teu olhar e do calor da tua mão naquela noite*

Descansa em Paz minha vavó,

Amo-te Linda*

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Há dias

Há dias que tenho vontade de fugir
para longe ir, daqui sair.
Há dias que tenho medo de arriscar,
como se o próprio vento me pudesse magoar.

Há dias que apetece-me desistir
mas há outros que o lugar para onde quero ir
é para os teus braços,
onde só te quero sentir.

Hoje não é um dia muito inspirado,
mas por mim serás sempre amado*

sábado, 2 de julho de 2011

um filme

[23:33:22] Joao Carreiro: lol

[23:33:34] Joao Carreiro: diz um filme pa sacar

[23:35:06] Cátia Moniz: http://czinom.blogspot.com/2010/03/simplesmente-vontade_21.html

[23:35:10] Cátia Moniz: o filme da nossa vida

[23:35:18] Cátia Moniz: onde tu e eu cresceremos felizes

[23:35:28] Cátia Moniz: onde eu serei tua e tu meu

[23:35:46] Cátia Moniz: onde o final é o inicio de tudo o que um dia criamos juntos

[23:36:00] Cátia Moniz: onde o nosso amor viverá para sempre

[23:36:11] Cátia Moniz: mesmo que morramos velhos, cansados da vida

[23:36:24] Cátia Moniz: mesmo que já nem consigamos falar

[23:36:40] Cátia Moniz: mesmo que voltemos a ser crianças pela segunda vez

[23:36:45] Cátia Moniz: depois de tudo

[23:36:52] Cátia Moniz: um dia uma criança virá

[23:37:00] Cátia Moniz: e depois dela virá outra

[23:37:08] Cátia Moniz: e o nosso amor viverá para sempre

[23:37:13] Cátia Moniz: nos nossos filhos

[23:37:17] Cátia Moniz: que terão filhos

[23:37:28] Cátia Moniz: e os filhos deles terão filhos

[23:37:43] Cátia Moniz: e assim num terno e eterno laço de amor

[23:37:54] Cátia Moniz: viveremos unidos para todo o sempre…

[23:38:25] Cátia Moniz: desculpa, queres um filme?

[23:38:31] Cátia Moniz: posso ver

Simplesmente...

...Abraça-me e deixa-me chorar...





Não me perguntes o porquê, apenas deixa-me assim, quieta.
Quieta, simplesmente, eu própria.
Eu sei que tudo tem uma razão para assim o ser, mas não, hoje não.
Hoje dói, cá dentro minh'alma grita, esbeniga-se, fala e fala e berra e puff... é ela própria, sem máscaras, sem nada, vazia, lotada de nada.

Onde estás tu?
Porque não vens e abraças-me?
Porque me deixaste só, tão só comigo mesma? Ou será que esta razão nunca existiu e eu permaneci este tempo todo assim, assim vazia? Lotada de um nada que outrora foi um tudo?
Por quem me tomas?! Porque não te chegas e abraças-me?

Sinto-me cansada...
Cansada de mim própria, do tudo que é nada e do nada que é tudo.


Vem, abraça-me, deixa-me chorar e não perguntes o porquê.
Simplesmente, hoje não há razão, apenas... apenas algo, o qual não sei definir, simplesmente dói e as lágrimas caiem...

E sou apenas eu própria comigo mesma.

sábado, 19 de março de 2011

Simplesmente não...

Simplesmente não consigo parar de chorar...

domingo, 13 de março de 2011

Quero-me de volta.

Sempre me incomodou o anoitecer, apesar de a hora do crepúsculo ser a que mais gosto, por outrora o anoitecer assusta-me…

Quando a noite parece longa, quando todos já dormem e permaneço aqui sentada o sofá sozinha com os olhos rasos.

Só faço asneiras, fervo em pouca água, a verdade é esta: fervo em pouca água.

Os olhos ficam-me rasos e faço com que as lágrimas não caiem, mas isto só faz com que cresça uma pressão na minha cabeça.

Quem me dera pagar uma parte da minha vida.

Não! Espera, eu sempre fui a miúda que sempre disse que prefere não apagar o que se passou porque foi tudo o que se passou que me fez crescer again.

Magoo as pessoas que mais amo.

Talvez muitas delas tenham razão e a culpa seja minha pelas coisas más que falam que não vou mencionar.

No fundo não me conheço, no fundo ninguém se conhece.

Zé… a personagem que criei na minha vida com a qual desabafava, a qual sentia sem sequer sentir, com a qual chorava e falava sem sequer ser ouvida.

Sinto a falta disto…

Sinto a falta da praia, de ir para a praia todos os dias, de caminhar e caminhar, de sentir os pés a ficarem gelados enquanto caminhava descalça à beira-mar, saudades de correr à beira-mar debaixo de chuva sem ter medo de ficar constipada…

God!

Quem sou eu?!

Quero-me de volta.

Zé – Depende de ti.

Eu – Eu sei, mas custa… custa tanto… ainda dói tanto cá dentro tanta coisa.

- Depende de ti, sabes bem disto.

- …

- Depende de ti lutar contra o que sentes e dizer que já passou, perdoar faz parte da vida, perdoar também faz parte do crescer.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

25/04/10


25/04/10
sai de casa e fui andar para a praia... o sol brilhava lá no alto apesar de ja quase 19horas baterem e apenas tres casais pairavam na praia, um deles deitados na areia a olhar o ceu, outro enroscadinhos sentados e por fim um ultimo a caminhar à beira-mar...
continuei de sapatilhas, shorts e t-shirt... mp3 a tocar e a caminhada à beira-mar ja ia longa quando alguem passou-me ao lado de replao a correr, fez-me lembrar a tua pessoa. porquê? nao sei, apenas fez-me lembrar, o que me despertou a vontade de correr atrás e abraçá-lo do nada, porque fazia-me sentir que eras tu... continuei a caminhada e esse alguem continuou a correr, quando, mais tarde, ergui a cabeça para sentir aqueles ultimos raios de sol a acariciarem-me o rosto, olhei-o de frente, ao qual ele sorriu-me, senti-me parva pela minha subita vontade estupida de querer sentir aqueles raios do sol naquele momento, baixei o rosto e de olhos postos na maré continuei a caminhada...
foste correr à beira-mar ontem e depois deste um mergulho antes de ires embora?
a*


ps: sei que nao eras tu, mas mesmo assim fica aqui um abraço daqueles que sao aconchego d'alma*





--------------

Saudades da praia :/

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Amo-te

Xuh…
Não digas nada,
Espera!
Sim, espera…
Tenho algo importante para te dizer…
Sim, eu sei que sabes, que o digo todos os dias, que o sussurro junto ao teu ouvido com o calor da minha respiração, mas mesmo assim… mesmo assim quero que o leias aqui.
Tu sabes, sei que sim, tu sentes, eu sinto, NÓS sentimos…

AMO-TE

Sei que há momentos, que há dias em que sou fria, que hoje não te conseguia olhar nos olhos, que desatei a chorar no teu colo e sai assim. Desculpa-me meu amor*
Não, não pretendo desistir de ti, não pretendo desistir de nós.
Porquê?
Porque simplesmente quero e vou fazer-te feliz, porque TU me fazes feliz.
Porque adoro quando deitas a cabeça sobre o meu colo, adoro abraçar-te, olhar-te…
Acho intimo, mas que intimo quando a tua língua roça na minha e sinto o calor da tua mão sobre a minha pela na minha anca. Quando do nada olhamos um para o outro, esquecemos as palavras, suspiramos tão profundo e nos beijamos como se mais nada existisse, tão súbito, tão Nosso :)
Lembras-te daquela fez que te encolheste todo e disseste: “ihhh que geneeeeeeeeeeeee!” que olhei para ti e só me saiu pela boca: “Tão fofinhoooooooooooooooooooooooo!” não menti, foste super fofo, TU és fofo, és lindo.
TU és quem eu amo,
És quem eu quero amar ainda mais
E, sem dúvida, que fazes parte de mim, TU és parte de mim, completas-me.
Quero crescer ainda mais contigo, a teu lado, junto a ti.
Quero partilhar momentos contigo, mais que isto, quero que sejamos o momento, os momentos, juntos.
Abraça-me não num agora, mas sim desde agora e para sempre.

PS: Amo-te João*


terça-feira, 18 de maio de 2010

Naquela noite...


Naquela noite, sim, naquela noite de quinta-feira passada, dia 13 de Maio, naquela noite tive a noção que a frase: “Não te apaixones por mim” já não tinha hipótese qualquer para existir.
Naquela noite, quando estava a ir para o bar para te ver tocar, juro-te que o caminho parecia mais vasto que algum outro que haveria percorrido antes, Tu, só Tu me permanecias no pensamento, no meu pensamento, e cada vez mais apressava o passo tal como cada mais tinha a noção que era tarde para frases ditas alguns dias atrás, eu sentia e sinto-me cada vez apaixonada por ti.
Não te sei explicar o que me ia no pensamento, só desejava chegar a tempo de te ver tocar, a hipótese de te desiludir, de não chegar a tempo, de não estar ali presente tornava o caminho mais longo, senti os olhos rasos por momentos e afirmei para mim mesma que iria chegar a tempo, que iria mesmo e quando lá cheguei… não, não sei explicar, apenas senti que se ficasse permanentemente a olhar para ti não iria parar de ter um sorriso no rosto, minh’alma parecia que transbordava de alegria meu Amor...
Dou comigo a pensar em ti, a rir sozinha feito parva, a andar pela rua com um sorriso…
Não importa se desejamos parar o tempo e este não nos obedece…
Vem, abraça-me enquanto entrelaçamos os dedos das nossas mãos uns nos outros, enquanto ainda o tempo passa depressa e nem temos noção de tal.
O tempo corre connosco, corre como aquilo que sentimos um pelo outro, o tempo correr vivo, corre cheio, cheio de tudo o que sentimos, de vida, de amor, de cumplicidade, a cumplicidade que levamos entrelaçada nos nossos dedos quando damos as mãos, quando nos perdemos no olhar um do outro, quando olho nos teus olhos e vejo o meu reflexo neles, quando sorris, quando nos abraçamos, quando lábios nossos quentes sentem a pele do outro, a pele de um corpo que não cria barreiras, mas que deseja ser levado, infundir-se no outro como se de um só corpo se tratasse… quando tu és tu, quando eu sou eu e mesmo assim tornamo-nos e fazemos parte um do outro.
Quero, desejo e vou fazer-te feliz, mesmo que o tempo ainda corra depressa enquanto nossas línguas se embalam numa longa dança de amor… mesmo que não saibamos explicar o que nos vai na alma… pois o verdadeiro sentimento está ai, quando não sabemos explicar, mas sim senti-lo como se tudo fosse e tivesse a mesma cumplicidade do primeiro beijo…
Um novo começo... uma nova página...

domingo, 25 de abril de 2010

Praia...

Não minto quando digo que não gosto quando o dia começa a escurecer, abate-se uma tristeza em mim, e estar em casa num momento desses faz-me sentir a escurecer por dentro como o tempo, como se tudo se retraísse mais e cada vez mais.
Praia, sim, prefiro ir até à praia e ver o dia a ir lá... Porque lá é diferente, enquanto as paredes do meu quarto quase que perdem vida quando o dia está a terminar, o céu lá fora ganha vida e cores únicas...
Ontem quando me sentei por lá parecia que certas fases do passado passassem como trailer, assim de flash e uma voz cá dentro em sussurro perguntou-me: "Porquê preto...?"
Olhos meus ficaram rasos naquele momento e deixei que a brisa os secasse.


...